Pesquisar este blog

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Depoimento (Ministério erra e corrige depois)

Prezados leitores,

Gostaria de compartilhar com todos o depoimento do Ronan que buscou a cidadania. Deu tudo certo para ele. Apesar das dificuldades que ele passou. O relato é muito legal.

O ponto mais marcante do relato mostra que o Ministério comente erros também e que pode corrigir se conversarmos direitinho com eles, ou seja, mostra que eles são humanos, cometem erros e ajustam se for necessário.

Vejam:




DE BRASILEIRO A EUROPEU EM 5 MESES



Olá. Me chamo Ronan Turnes e sou mais um feliz cidadão Luxemburguês. Resolvi escrever este texto para contar um pouco da minha experiência na aquisição desta cidadania tão almejada por todos, e por achar que ainda há muita discrepância no que as pessoas dizem que deve ser feito para consegui-la.

Sempre tive vontade de obter a cidadania Europeia pois o sonho de deixar o Brasil e viver no Velho Mundo me acompanha há tempos, porém sabia que não poderia consegui-la, pois apesar da família de minha mãe ter vindo da Alemanha, o antepassado alemão era muito distante. A família de meu pai sempre foi uma incógnita, pois nem tínhamos certeza da origem do sobrenome (alguns sites indicavam França, outros Espanha), mas da mesma maneira, o antepassado era muito distante na linhagem, fato que impossibilitava a aquisição da cidadania de acordo com as leis.

Por anos tive que aceitar meu destino: sou Brasileiro. Se quisesse morar fora do país não poderia contar com o tão sonhado passaporte vermelho.

Contudo, em 2014, em uma reunião familiar, descubro que um tio distante (meio-irmão de meu pai) havia pesquisado que o sobrenome Turnes, na verdade, pertencia a alguém nascido em Luxemburgo. Pelo que me foi dito ele estava indo atrás da documentação para conseguir a cidadania. Apesar de ter ficado feliz, imaginei que deveria ter que esperar ele resolver todo o processo dele para então dar início à recuperação da minha cidadania e, mesmo assim, não achava provável que eu fosse conseguir pela questão do antepassado também ser distante na linhagem. E com o passar do tempo, acabei esquecendo por completo disso.

Foi apenas em Abril de 2016, durante uma conversa com a minha namorada (hoje, minha noiva) sobre morar fora do país, que resolvi entrar em contato com meu tio para saber como estava o processo dele e também ir atrás de mais informações sobre a cidadania Luxemburguesa. Para minha surpresa, ele já havia recebido o Certificado de Descendência, o que facilitou – e muito – o meu processo.

Imagino que todos, assim como eu, ficaram espantados com a facilidade em adquirir tal cidadania. Li sobre o assunto em vários posts deste blog, assim como na comunidade do Facebook, e fui ganhando confiança que também poderia consegui-la.

Passei os meses de Junho e Julho pesquisando sobre a árvore genealógica da minha família. Usando sites como MyHeritage, FamilySearch e outras páginas encontradas no Google, consegui rastrear ascendentes até o ano de 1715, nascidos na Áustria. Nesta pesquisa descobri Franz Turnes (nascido em 1822) e Peter Turnes (seu filho, nascido em 1847), que vieram de Luxemburgo com o resto da família em 1862 para o Brasil (São Pedro de Alcântara/SC para ser mais preciso), e que são o ponto inicial da minha busca pela cidadania.


Durante este período enviei também vários e-mails ao ministério de Luxemburgo para tirar as dúvidas que estava tendo. Fiz isso pois encontrava muita desinformação nos grupos destinados a esse assunto.

Tive que pedir a segunda via das certidões necessárias pois não encontrei os originais. Com as mesmas em mãos, fiz cópias autenticadas e mandei fazer a tradução juramentada de ambas, cópias originais e cópias autenticadas. Meu plano era enviar para Luxemburgo as cópias autenticadas e usar os originais para a segunda etapa, quando viajaria para Luxemburgo a fim de recuperar a Cidadania.

Finalmente, em 12 de Agosto, com todas minhas dúvidas sanadas, enviei a documentação necessária para Luxemburgo:

- Carta de requerimento em francês – Usei o modelo enviado pelo meu tio em francês. De acordo com o funcionário do ministério, não é necessário enviar comprovante de endereço. O endereço deve apenas constar na carta de requerimento. Ou seja, é um gasto a menos na hora de para traduzir. Abaixo disponibilizo a minha carta para servir de modelo.

- Detalhes da linhagem – Basicamente uma explicação da linhagem a partir de Peter até mim, constando datas e informações de nascimento, casamento e falecimento dos meus ascendentes. Especifiquei quais certidões foram enviadas pelo meu tio e quais estavam sendo enviadas por mim.

- Cópia dos e-mails entre mim e o funcionário do Ministério - Fiz isso apenas como salvaguarda, para que a pessoa que fosse analisar o meu dossiê visse que toda a documentação foi enviada de acordo com as instruções do próprio Ministério.

- Fotocópia simples do Certificado de Descendência de meu tio – Enviei mesmo o ministério não tendo pedido.

- Fotocópia simples do meu passaporte –(...) Apesar de meu passaporte estar perto do vencimento (em 03/10/16), fui também informado pelo funcionário do Ministério que não haveria problema contanto que a documentação fosse enviada antes do vencimento.

- Cópia autenticada da Certidão de Casamento de Alécio e Hormalina e tradução – Como meu tio é filho do segundo casamento do meu avô, ele não havia enviado a certidão de casamento do Alécio.

- Cópia autenticada da Certidão de Nascimento de Vilson e tradução – Na certidão de meu pai, minha avó aparece como Ormalina. Fiquei com medo que isso causaria algum problema, porém simplesmente escrevi na carta de requerimento que houve um erro de grafia no cartório e deu tudo certo. Meu pai faleceu em Maio de 2016. Porém, seguindo as instruções do funcionário, não foi necessário enviar a certidão de óbito dele.

- Cópia autenticada da minha Certidão de Nascimento e tradução – Sou filho do segundo casamento de meu pai, porém meus pais nunca se casaram ou efetivaram em cartório a união estável. Entretanto, novamente de acordo com o funcionário do Ministério, isso não seria um problema.

Um adendo muito importante: (...)Todo o processo pode ser feito por conta própria, em contato direto com o Ministério (existem funcionários que falam Francês, Alemão, Inglês e até Português). Claro que a busca pelas Certidões é extenuante, mas nada que paciência e um contato com os cartórios não resolva. E caso não ache algum documento, entre em contato com o Ministério e tire dúvidas antes de enviar o dossiê.

Bom, depois de enviar a papelada, restou apenas controlar a ansiedade. Porém, em 16/09, recebo em casa o tão esperado envelope com o leão vermelho estampado. Era o aguardado Certificado de Descendência... em nome de meu pai. Nada em meu nome. Fiquei um pouco desconcertado, e no mesmo dia enviei um e-mail para o funcionário que me tirara todas a dúvidas anteriormente, Florent Sadler, em Luxemburgo pedindo explicações, afinal eu era o Requerente (eu assinei a carta, enviei apenas meu passaporte, e – mais importante – meu pai já havia falecido).

Neste momento, infelizmente, perdi a confiança nele, pois na resposta ele disse que o meu Certificado foi enviado no mesmo dia. Oras, não faz sentido, faz? Por que não colocaram os dois no mesmo envelope? Enfim, decidi então enviar um e-mail para outra funcionária do ministério, Huguette Meyer, pedindo maiores informações.

Quase duas semanas depois (28/09), recebi a resposta de Huguette informando que um novo Certificado de Descendência seria emitido em meu nome e enviado.

Durante este período, pude notar que muitas pessoas estavam recebendo o Certificado de Nacionalidade no grupo do Facebook, o que me fez questionar quais são as regras para recebê-lo. Até onde pude entender, eu me encaixaria nos critérios por ter uma linhagem totalmente masculina.

Ao responder o e-mail de Huguette agradecendo a informação, aproveitei para questionar se haveria a possibilidade de receber diretamente o Certificado de Nacionalidade e, assim, evitar o gasto de ter que ir à Luxemburgo para assinar a recuperação da cidadania.

Em 25/10 finalmente recebo o Certificado de Descendência, desta vez em meu nome. Estava chegando cada vez mais próximo do meu sonho de ter a cidadania europeia. Restava agora economizar dinheiro para a viagem à Luxemburgo. E aquele primeiro certificado? Até hoje nada. Pode ser que o primeiro funcionário, Florent, mentiu para não admitir o erro, ou realmente ele está perdido em algum lugar entre Europa e Brasil.

Porém, eis que em 10/11 uma reviravolta acontece. Recebi o  e-mail com a resposta de Huguette informando que meu dossiê havia sido analisado novamente e, sim, eu poderia receber o Certificado de Nacionalidade mediante o pagamento da taxa de 10 Euros. Respondi imediatamente que tinha interesse e que faria o pagamento assim que possível.

Entretanto, o assim que possível demorou um pouco pois não conseguia encontrar uma forma para enviar o dinheiro. Nenhuma agência bancária da minha cidade faria, e o site que me foi indicado (Transferwise), não pode fazer transferências para contas jurídicas. Recorri, então à empresa Confidence que possui casas de câmbio espalhadas pelo Brasil e poderia fazer a transferência online.

Fiz o pagamento então no dia 21/11 e no dia 29/11 me foi informado que o meu Certificado de Nacionalidade estava a caminho.

Restava agora controlar mais uma vez a ansiedade, cruzar os dedos para que não houvesse nenhum erro e que ele não acabasse sendo extraviado pelo caminho.

No dia 05/01, finalmente tenho em mãos o precioso Certificado de Nacionalidade, sem erros, sem extravios, apenas um pouco rasgado graças à “delicadeza” dos nossos Correios.

Resumo da ópera: tive muita sorte no meu processo, gastando pouco dinheiro e em 5 meses me tornando um cidadão Europeu. O próximo passo agora é ir atrás do passaporte vermelho e, quem sabe, recomeçar a vida do outro lado do Atlântico num futuro próximo.

Gostaria de terminar este longo texto agradecendo a todos que me ajudaram com informações sobre o processo, em especial meu tio (afinal, ele fez o trabalho duro e foi atrás da maioria das certidões) e ao Fábio (autor deste blog) por ser tão prestativo e ter tirado muitas dúvidas. Lembrando que este foi um relato da minha experiência. Sei que muitas situações e linhagens são diferentes, mas caso a sua seja similar, espero poder ter contribuído de alguma forma.

Desejo boa sorte a todos.



Ronan Turnes.








13 comentários:

  1. Muito legal o comentário do Ronan. Qual é a comunidade do Facebook onde o pessoal troca informações?

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Excelente depoimento, esclareceu várias coisas pra mim. Valeu mesmo!! só uma dúvida, cita que disponibilizaria a carta de requerimento em francês logo abaixo do texto, acho que faltou postar. Fiquei interessado pois estou prestes a elaborar a minha :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Silvério faltou mesmo. Tinha dados pessoais e por isso não publiquei. Mas é uma carta pessoal sua pedindo basta vc se identificar e fazer o pedido. Tem um modelo em inglês no blog que vc pode utilizar.

      Excluir
    2. Olá Fábio,
      estou nas fases finais do levantamento dos documentos (já estou traduzindo as certidões) e gostaria deste modelo de carta de requerimento que você comentou, pois fico em dúvida sobre o que requerir nesta carta.
      Grato,
      André

      Excluir
  4. Fabio,
    Parabéns pelo seu blog sobre a cidadania luxemburguesa e também pelos vídeos relacionados ao tema; são muito esclarecedores.
    Sou natural de Santa Catarina, mas moro em São Paulo; e sou descendente de Mathias Schabo/Schappo. No ano passado eu e meu irmão entramos com o processo para recuperar a cidadania luxemburguesa; usamos parte da documentação de um primo que já havia conseguido a cidadania (certificado amarelo). Como resultado desse processo, o meu irmão conseguiu o certificado amarelo e eu o certificado branco.
    No início, procurei orientação do consulado para entender o porquê meu irmão recebeu o certificado amarelo e eu o branco. Me informaram que a razão disso está relacionada a uma lei para nascidos antes de 1969, que é o meu caso, que somente reconhecia a cidadania para descendentes em linha direta masculina. A partir de 1969, segundo o consulado, uma nova lei passou a reconhecer a cidadania para descendentes em linha direta masculina e feminina.
    Estou planejando ir a Luxemburgo ainda este ano para dar continuidade a segunda etapa do processo. Tenho algumas dúvidas, e se for possível peço por gentileza que me oriente a respeito:
    1) Segundo o consulado na segunda etapa do processo de recuperação da cidadania é necessário apresentar novamente todas as certidões com tradução juramentada, as mesmas que já foram enviadas para o ministério da justiça em Luxemburgo. Pelo que tenho visto no seu blog e também na página da cidadania luxemburguesa; na prática isto não está sendo necessário. Correto?

    2) Quando se fala que devemos preencher o questionário biográfico, é o mesmo questionário sociocultural? No folheto enviado pelo ministério da justiça, que recebi junto com o certificado branco, pedem para preencher o questionário biográfico online.

    3) Os documentos que serão apresentados em Luxemburgo na 2ª etapa (certidão de nascimento minha e do meu filho, atestado de antecedentes criminais do Brasil) deverão ter tradução juramentada?

    Grato pela sua atenção,
    Paulo Felipe

    ResponderExcluir
  5. Olá Paulo, obrigado por dividir sua experiência.
    Quanto as suas questões, creio que a informação do consulado esteja equivocada.
    Vejo no post abaixo o que precisa ser feito:
    http://cidadanialuxemburguesa.blogspot.com.br/2014/02/consegui-o-certificado-de-antepassado-o.html

    O questionário é este mesmo.
    A informação que tenho é que precisa ter a certidão de nascimento sua e de seus filhos traduzida também. Não precisa apostilar.

    ResponderExcluir
  6. Oi pessoal,

    Sou Paulo Koerich. Enviei minha documentação em fevereiro e recebi o certificado de antepassado no dia 01/08. Achei bem rápido todo o processo. Agora estou me preparando pra ir a Luxemburgo. O Blog me ajudou muito a conhecer todo o processo. Obrigado!

    ResponderExcluir
  7. Olá... tambem sou Turnes e já consegui a minha cisadania e dos meus filhos, já estivemos em Luxemburgo no ano passado, onde fizemos as identidades e os passaportes... a idéia agora é fazer o caminho inverso de Franz Turnes.

    ResponderExcluir
  8. Olá, gostaria de saber o que devo fazer para aproveitar o processo de um familiar que já teve a linhagem reconhecida. Preciso somente enviar os documentos até a linha em comum e citar o fato na carta? Qual outro procedimento devo utilizar?

    ResponderExcluir
  9. Olá, gostaria de saber onde encontrar o certificado sócio cultural para já levar pronto, e se precisa agendar data via site para ir fazer o passaporte em Luxemburgo. Obrigada

    ResponderExcluir
  10. Ricardo Irineu Turnes20 de março de 2021 08:57

    Parabéns, primo. Pra mim também deu tudo certo. Mes passado em fevereiro, estive em Brasília para assinar a documentação e peguei meu passaporte e dos meus filhos nesta sexta feira na embaixada aqui em Palhoca. Demorou um mês.

    ResponderExcluir